terça-feira, 13 de outubro de 2020

13 de outubro - Dia Internacional para a Redução de Catástrofes



Dia Internacional para a Redução de Catástrofes instituído em 1989 pela Assembleia Geral das Nações Unidas pretende chamar a atenção de todos os Estados para a necessidade de adotarem políticas que visem a prevenção e a redução de danos humanos e materiais, diretamente causados pela ocorrência de desastres naturais. É uma forma de promover uma cultura global de redução dos danos causados por desastres e de como as pessoas e comunidades estão a preparar-se para reduzir este riscos.

Um desastre natural ocorre quando um evento físico muito perigoso (tal como um sismo, desabamento, furacão, inundação, incêndio) provoca diretamente ou indiretamente danos à propriedade, ou faz um grande número de vítimas, ou destruição de bens.

Eis as 10 piores catástrofes naturais da História.

CHEIAS NA CHINA, 1931: 4 MILHÕES DE MORTOS

A inundação do rio Amarelo, na China, é considerada o desastre natural mais mortal da História. Deixou cerca de 4 milhões de mortos (durante a cheia ou por causa das doenças provocadas pelo desastre).

SECA NA ÍNDIA, 1900: 3,25 MILHÕES

As secas na Índia são relativamente comuns desde o século XVII. A maior dessas tragédias aconteceu no ano 1900, no norte do país. Estima-se que tenham morrido aproximadamente 3,25 milhões de cidadãos indianos.


TERREMOTO EM SHAANXI, CHINA, 1556: 830 MIL MORTOS


Embora não tenha sido o mais intenso da História, o tremor que atingiu a província de Shaanxi, na China, em 23 de janeiro de 1556, é um dos maiores já registados. Sem qualquer forma de prevenção a terremotos, as cidades foram arrasadas.


CICLONE NA ÍNDIA, 1970: 500 MIL MORTOS

Nunca houve ciclone tropical tão devastador. O Bhola surgiu na baía de Bengala e deixou de 300 mil a 500 mil mortos em Bangladesh e na Índia. Com ventos de 222 km/h, causou grandes prejuízos.


TSUNAMI NA INDONÉSIA, 2004: 280 MIL MORTOS


Um dos maiores desastres naturais foi causado por um terremoto de 9 pontos na escala Richter, na Indonésia. Quase 300 mil habitantes faleceram devido à destruição causada pelo tsunami, cujas ondas alcançaram 800 km/h.

TERREMOTO EM ANTIOQUIA, 526: 250 MIL MORTOS

Quase ninguém sobreviveu quando um tremor atingiu a metrópole bizantina na Síria. O que não foi ao chão imediatamente terminou carbonizado no incêndio que se seguiu. Durante 18 meses, foram sentidos tremores secundários.

TSUNAMI EM LISBOA, 1755: 100 MIL MORTOS


A capital portuguesa e várias cidades litorais do país foram devastadas por um terremoto, seguido de um tsunami com ondas de mais de 6 metros. O tremor, de 8,7 pontos na escala Ritcher, deu ao marquês de Pombal a possibilidade de reconstruir Lisboa.

ERUPÇÃO NA INDONÉSIA, 1883: 35 MIL MORTOS

Depois de uma semana de erupções, o monte Krakatoa, na Indonésia, atingiu o seu auge no dia 27 de agosto. Foi quando aconteceram quatro explosões, sendo que a última pôde ser ouvida a mais de 4.800 quilómetros. As detonações arremessaram rochas a mais de 80 quilómetros de altura.

FURACÃO NO CARIBE, 1780: 27 MIL MORTOS

Também conhecido como Furacão de São Calixto, arrasou várias ilhas do Caribe. Ocorreu durante a Guerra de Independência dos Estados Unidos, afundou dezenas de navios ingleses e franceses posicionados na região.

ERUPÇÃO EM POMPEIA, 79 D.C: 16 MIL MORTOS


Foi uma das mais conhecidas e catastróficas erupções vulcânicas de todos os tempos. Em 19 horas, o Vesúvio arrasou tudo à sua volta. Uma chuva de cinzas e rochas soterrou as cidades de Pompeia e Herculano.



quinta-feira, 8 de outubro de 2020

Dia Mundial da Visão



O Dia Mundial da Visão comemora-se anualmente na segunda quinta-feira de outubro. 
A data, criada pela Organização Mundial da Saúde, chama a atenção para os perigos à visão, como a cegueira e a deficiência visual. 
Devem realizar-se rastreios visuais frequentemente para prevenir problemas visuais. 
Curiosidades sobre a visão
 • 285 milhões de pessoas sofrem de deficiência visual moderada ou grave; 
• 90% destas pessoas vivem em países em desenvolvimento; 
• 65% destas pessoas têm mais de 50 anos; 
• Cerca de 40 milhões de pessoas são cegas;
• A cada 5 segundos uma pessoa fica cega no mundo;
 • 80% da deficiência visual é evitável, podendo ser prevenida ou tratada.

segunda-feira, 5 de outubro de 2020

5 de outubro - Dia Mundial do Professor

 


Dia Mundial do Professor celebra-se anualmente no dia 5 de outubro.

Neste dia, pretende-se homenagear todos aqueles que escolheram o ensino como forma de vida e que dedicam o seu dia-a-dia a ensinar, crianças, jovens e adultos.

A data foi criada pela UNESCO em 1994 com o objetivo de chamar atenção para o papel fundamental dos professores na sociedade e na instrução da população.

Hoje em dia continua a registar-se a falta de professores em vários países, especialmente nos países africanos.


quinta-feira, 1 de outubro de 2020

01 de outubro – Dia Internacional da Música

 



A música, capaz de mudar o estado de humor, de reconduzir o espírito aos sentimentos mais sublimes, invade o silêncio para nos falar numa linguagem que conseguimos compreender, sem esforço algum, com simplicidade e beleza.

O 1.º dia de outubro foi instituído como o Dia Internacional da Música, em 1975, pelo International Music Council, organização não governamental fundada com o apoio da UNESCO em 1948, com o objetivo de levar a música a todos os setores da sociedade e promover os valores de paz e a amizade.


sábado, 26 de setembro de 2020

A representante da Comissão Europeia em Portugal propõe a audição de um concerto com obras de compositores europeus pelo Orfeão do Colégio Militar.

Dia Europeu das Línguas

 


O Ano Europeu das Línguas (AEL) 2001, organizado conjuntamente pelo Conselho da Europa e pela União Europeia, envolveu com sucesso milhões de pessoas nos 45 países participantes. As atividades desenvolvidas celebraram a diversidade linguística na Europa e promoveram a aprendizagem de línguas.

Na sequência do êxito do AEL-2001, o Conselho da Europa instituiu o Dia Europeu das Línguas, a ser celebrado todos os anos no dia 26 de setembro. Os objetivos gerais do Dia Europeu das Línguas são:

1.    Alertar o público em geral para a importância da aprendizagem das línguas e diversificar a oferta linguística de modo a incrementar o plurilinguismo e a compreensão intercultural;

2.    Promover a riqueza da diversidade linguística e cultural da Europa, que deve ser preservada e valorizada;

3.    Fomentar a aprendizagem de línguas ao longo da vida, dentro e fora da Escola, seja para fins académicos ou profissionais, seja para fins de mobilidade ou por prazer e intercâmbio.

Em 26 de setembro de 2011 assinalou-se o 10º aniversário do Dia Europeu das Línguas (DEL), celebrado no Conselho da Europa e em todos os 47 estados-membros.
 





quinta-feira, 24 de setembro de 2020

Dia Marítimo Mundial

 


Este ano, o Dia Marítimo Mundial 2020 é subordinado ao tema “Transporte marítimo sustentável para um planeta sustentável”.

O Dia Marítimo Mundial que se celebra hoje, 24 de setembro,  enquadra-se num conjunto de ações que procura defender os mares, o oceano e o planeta dos impactos ambientais gerados pelas indústrias marítimas, incluindo o transporte de mercadorias, pescas e serviços especializados. Estes setores de atividade assumem uma importância muito relevante na globalização económica, movimentando 90% do volume das mercadorias trocadas entre países.

Os mais de 100.000 navios que operam diariamente, apesar da sua importância, são responsáveis por cerca de 3% das emissões de CO2. Por outro lado, não se pode descurar outros tipos de poluição geradas por navios, nomeadamente por lixo, esgoto, óleo e substâncias nocivas, que de alguma forma atingem os mares e oceano, resultantes da exploração e navegação, e também de incidentes marítimos.

Este ano, a escolha do tema “Transporte marítimo sustentável para um planeta sustentável” constitui uma oportunidade para sensibilizar e dar a conhecer o trabalho que a  Organização Marítima Internacional (IMO)  e os seus Estados-Membros têm vindo a desenvolver para contribuir para a concretização dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas (ODS), incluídos na Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.

E quem era Sísifo?

 


Mito de Sísifo

Sísifo, rei da Tessália e de Enarete, era o filho de Éolo. Fundador da cidade de Éfira, que mais tarde veio a chamar-se Corinto, e também dos jogos de Ístmia (ou Ístmicos). Sísifo tinha a reputação de ser o mais habilidoso e esperto dos homens e por esta razão dizia-se que era pai de Ulisses.

Sísifo despertou a ira de Zeus quando contou ao deus dos rios, Asopo, que Zeus tinha sequestrado a sua filha Egina. Zeus mandou o deus da morte, Tanatos, perseguir Sísifo, mas este conseguiu enganá-lo e prender Tanatos. A prisão de Tanatos impedia que os mortos pudessem alcançar o Reino das Trevas, tendo sido necessário que fosse libertado por Ares. Foi então que Sísifo, não podendo escapar ao seu destino de morte, instruiu a sua mulher a não lhe prestar exéquias fúnebres. 

Quando chegou ao mundo dos mortos, queixou-se a Hades, soberano do reino das sombras, da negligência da sua mulher e pediu-lhe para voltar ao mundo dos vivos apenas por um curto período, para a castigar. Hades deu-lhe permissão para regressar, mas quando Sísifo voltou ao mundo dos vivos, não quis mais voltar ao mundo dos mortos. Hermes, o deus mensageiro e condutor das almas para o Além, decidiu então castigá-lo pessoalmente, infligindo-lhe um duro castigo, pior do que a morte.

Sísifo foi condenado para todo o sempre a empurrar uma pedra até ao cimo de um monte, caindo a pedra invariavelmente da montanha sempre que o topo era atingido. Este processo seria sempre repetido até à eternidade.