segunda-feira, 11 de janeiro de 2021

OBRIGADA! OBRIGADO!

 


Hoje é dia de agradecer. À mãe, ao pai, ao filho, ao tio, à tia, ao periquito ou a quem quiseres.

Obrigado, obrigada, obrigados, obrigadas. A concordância é feita com o emissor. Nunca com o recetor!

“Obrigado”, diz o ser do sexo masculino. “Obrigada”, o do sexo feminino. “Obrigadas”, se for um conjunto de pessoas estritamente do sexo feminino, porque a língua portuguesa é machista. Quando nos dirigimos a um grupo de 99 mulheres e 1 homem, dizemos “todos vós”. Só empregamos “obrigadas” ou “todas” quando não há uma única presença do sexo masculino. Da mesma forma que dizemos e escrevemos “grato”, “grata”, “gratos”, “gratas”.

Podemos estranhar a utilização do plural, que além de pouco frequente ( visto que quem agradece no plural, normalmente diz “O nosso muito obrigado”) é própria de quem dá pontapés na gramática, mas no caso raro de um agradecimento coletivo, é correta.

“Obrigado” é uma forma abreviada da expressão “fico-lhe obrigado”, isto é, “fico-lhe ligado pelo favor, oferta que me fez”. De facto, o verbo latino “obligare” significava “ficar ligado, atar juntamente, empenhar, comprometer-se”, entre outros sentidos.

Ao ficarmos “devedores” a outrem, por qualquer serviço que nos foi prestado, criamos um elo de ligação, ainda que momentânea.

A lista que se segue é para te ajudar nessa missão poliglota de dizer OBRIGADA.

ALEMÃO – Danke

BÚLGARO – Blagodaria

CATALÃO – Gràcies 

CHINÊS – Xièxiè

ESPANHOL – Gracias

FINLANDÊS – Kiitos 

FRANCÊS – Merci

HOLANDÊS – Dank u

INDONÉSIO – Terima kasih

INGLÊS – Thank You

ITALIANO – Grazie

JAPONÊS – Arigatô

POLACO – Dziękujemy

ROMENO – Va Mulţumesc 

UCRANIANO – Spasybi

ZULU – Ngiyabonga



segunda-feira, 4 de janeiro de 2021

4 de janeiro 1809- Louis Braille

O Braille não é uma língua, trata-se de um código que pode ser aplicado às diferentes línguas, permitindo às pessoas com deficiência visual ler e escrever no seu idioma. 
Este sistema de comunicação baseia-se em 6 pontos em alto-relevo, dispostos em duas colunas de 3 pontos cada que, combinados entre si, resultam em 64 combinações/ símbolos e permitem responder às diversas necessidades de representações escritas (alfabeto, matemática, música). 
Estes 6 pontos são designados por Célula Braille e estão numerados de acordo com a posição em que se encontram. Assim temos: na coluna da esquerda, de cima para baixo, os pontos 1,2 e 3; na coluna da direita, também de cima para baixo, os pontos 4, 5 e 6. 
Em Portugal, a ACAPO (Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal) é o maior movimento associativo de deficientes visuais do nosso país.




Quem foi Louis Braille?

 

segunda-feira, 28 de dezembro de 2020

Feliz Ano Novo

Que 2021 traga tudo o que cada um de nós deseja!
A concretização de novos projetos.
A saúde. A paz. A harmonia. A felicidade. O amor.
...


 

terça-feira, 22 de dezembro de 2020

Vai cuidAR-TE… a ARTE dá saúde e bem-estar!

 


Nos tempos difíceis que atravessamos, o contacto com a Arte é um dos melhores remédios para ajudar ao nosso equilíbrio mental. Por isso, neste ano letivo, a Biblioteca escolheu a ARTE como fio condutor das suas atividades, especialmente nas duas escolas secundárias do Agrupamento.

Assim, realizaram-se ao longo do primeiro período várias atividades destinadas a chamar a atenção da comunidade escolar para os benefícios da Arte, começando pela criação de um vírus "bom" que disseminou a mensagem através de slogans como O que ARDE cura? Não! A ARTE cura!, Infeta-te com Literatura!, Uma peça musical imuniza-te contra o mal!, entre outros.


No mês de novembro, foram apresentados artistas que, confrontados com situações de doença ou de incapacidade, encontraram na Arte um meio para ultrapassarem as suas dificuldades, nas áreas da literatura (Hans Christian Andersen, Fernando Pessoa, Phillip K. Dick, Paulo Coelho, António Lobo Antunes…), da música (Mozart, Ray Charles, Seal, Camila Cabello,…), ou da pintura (Edvard Munch, Salvador Dalí, Frida Kahlo,…), e ainda filmes que retratam situações em que a Arte tem um papel fundamental no bem-estar.

Em dezembro destacaram-se artistas que foram perseguidos, presos ou exilados, por causa da sua arte ou da sua vida pessoal, mas que encontraram de novo na Arte um caminho para o seu bem-estar.




Paralelamente foi lançado um concurso de fotografia, intitulado FotogrfAR-TE, aberto a toda a comunidade escolar, e destinado a estimular a criatividade e o sentido de observação através de fotos relacionadas com os temas das exposições ("A Arte dá saúde e bem-estar" e "Coisas presas"). Este concurso irá prosseguir ao longo do ano, o mesmo acontecendo com outras atividades ligadas a esta temática, a começar pelos livros selecionados para a fase de escola do Concurso Nacional de Leitura.




quinta-feira, 10 de dezembro de 2020

Dia Internacional dos Direitos Humanos

 


O Dia Internacional dos Direitos Humanos é comemorado mundialmente a 10 de dezembro, tendo como objetivo homenagear o empenho de todos os cidadãos defensores dos direitos humanos e erradicar todos os tipos de discriminação, promovendo a igualdade entre todos os cidadãos independentemente do seu género, raça, religião, etc. A entrega do Prémio Nobel da Paz é realizada nesta data.

    A data em questão foi escolhida para honrar o dia em que a Assembleia Geral das Nações Unidas proclamou, a 10 de dezembro de 1948, a Declaração Universal dos Direitos Humanos, a qual teve como objetivo promover a paz e a preservação da humanidade após os conflitos da 2ª Guerra Mundial que vitimaram milhões de pessoas. A Declaração Universal dos Direitos do Homem enumera os direitos humanos básicos de que todos os cidadãos devem dispor e está disponível para consulta em https://dre.pt/declaracao-universal-dos-direitos-humanos.

    Em Portugal, só a partir de 1998 é que a Assembleia da República reconheceu o valor da Declaração Universal dos Direitos do Homem passando-se também a comemorar esta data a nível nacional.

    Martin Luther King Jr., Madre Teresa de Calcutá, Nelson Mandela, Jimmy Carter, Barack Obama, Malala Yousafzai, entre outras personalidades importantes destacaram-se pelos seus papéis fundamentais no campo da paz mundial em diversas áreas.

    Embora nos últimos anos tenha havido inúmeros progressos a nível dos direitos básicos do Homem, ainda existem muitas violações, tais como o direito à vida, visto que em muitos países há crimes punidos com execuções, a violência excessiva como os ataques terroristas, a escravidão que embora seja ilegal continua afetar milhões de pessoas em especial crianças, os maus tratos e as torturas, os julgamentos injustos e a privação de liberdade arbitrária, a repressão, entre outros.

Mariana Fonseca, 11ºA


segunda-feira, 7 de dezembro de 2020

Timor - um pouco de história

 



Os primeiros contactos de portugueses com a ilha de Timor datam dos inícios do século XVI: após a conquista de Malaca e consequente domínio dos mares e do comércio da Insulíndia, o sândalo atraiu navegadores portugueses, que terão chegado à ilha por volta de 1514; em 1556, chegavam os primeiros missionários.
A conquista foi lenta, tendo encontrado numerosos obstáculos, desde as resistências locais até aos ímpetos expansionistas de outras nações asiáticas e à conquista holandesa. Portugal ficaria senhor de metade da ilha, não sem alguns problemas de soberania, que deram origem a "guerras de pacificação".
Na Segunda Guerra Mundial a colónia foi invadida e ocupada pelos japoneses. Entre 1942 e 1945, o território foi palco de combates.

Com o fim da guerra, Portugal readquiriu o domínio sobre Timor, nem mesmo as guerras nas colónias africanas encontraram eco em Timor.

A razão para a ausência de sentimentos ou movimentos defensores da independência da colónia poderá residir no facto de o domínio português ter funcionado, ao longo de séculos, como aglutinador de vários povos e defensor da identidade étnica, cultural e política da região face aos vários expansionismos em ação na Insulíndia; além disso, a presença portuguesa não assumiu um carácter de exploração económica, visto que a precária economia timorense era dominada por uma pequena burguesia de origem chinesa, há muito estabelecida no território.

Após o 25 de abril de 1974 a vida política timorense tornou-se ativa, embora seja notório o atraso com que o novo poder se apresentou a tomar as rédeas do governo local.

A liberdade de formação de partidos políticos, prontamente aproveitada, permitiu o aparecimento de diversas formações partidárias, entre outras referem-se as mais importantes: a União Democrática Timorense (UDT); a Associação para a Integração de Timor na Indonésia (AITI) e a Frente Revolucionária de Timor Leste (FRETILIN), partidária da independência imediata.

domingo, 6 de dezembro de 2020

VIH - o vírus da imunodeficiência

 


A 1 de dezembro celebrou-se o Dia Mundial de Luta Contra a SIDA e  a comunidade mundial manifestou o seu apoio às pessoas que vivem com o VIH (vírus da imunodeficiência humana), recordando todos aqueles que perderam a vida devido ao vírus da SIDA.

    O vírus da imunodeficiência humana (VIH) foi descoberto nos anos 80, o qual ataca o sistema imunitário e destrói as suas defesas, enfraquecendo a sua capacidade de combater infeções e doenças. Apesar de ainda não existir cura, é possível viver uma vida saudável com os tratamentos adequados. Antigamente era vista como uma doença mortal, sendo hoje uma doença crónica.

    Em 2020, o tema escolhido para o Dia Mundial de Luta Contra a SIDA apela à “solidariedade mundial e responsabilidade partilhada”, tanto mais que no contexto da pandemia de COVID-19 tem sobressaído a importância do mundo estar unido, com uma liderança determinada por parte dos governos e das comunidades para sustentar e ampliar o acesso a serviços essenciais, incluindo prevenção e despistagem do VIH e respetivos tratamento e cuidados.

    Atualmente, contabilizam-se cerca de 38 milhões de casos de pessoas que vivem com o VIH, 67% dos quais habitam na Região Africana da Organização Mundial de Saúde, sendo que em 2019, foram infectadas mais de 1 milhão de pessoas pelo VIH. Na Região Africana, as novas infecções devidas ao VIH e os óbitos associados à SIDA não estão a baixar suficientemente depressa para cumprir a meta dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável que visa por fim à epidemia de SIDA até 2030.

    81% das pessoas que vivem com o VIH estão cientes da sua situação, sendo que  entre elas, 70% dos adultos e 53% das crianças estão a receber terapêutica anti-retroviral (TAR) vitalícia, assim como 85% das grávidas e das mães a amamentar, protegendo não só a saúde delas como ainda evitando a transmissão do VIH aos seus recém-nascidos. O estigma e a discriminação continuam a constituir barreiras no que diz respeito ao acesso a serviços de saúde.

Em Portugal, a zona metropolitana de Lisboa é a região com maior número de casos associados à infeção por VIH. Em 2019, Portugal conseguiu atingir todas as medidas traçadas pela ONU na luta contra este vírus, no entanto Portugal continua a apresentar a terceira maior taxa de incidência de infeções por VIH na União Europeia. Atualmente, os homens representam 71,2% dos infetados e as mulheres 28,8%, destacando que 55,8% dos infetados tiveram diagnóstico tardio, sendo a maior causa de infeção a prática de sexo heterossexual não protegido.

     Embora nem todas as pessoas infetadas por VIH apresentem sintomas, os mais comuns são cansaço, aumento dos gânglios linfáticos, diarreia, entre outros. O VIH encontra-se nos fluídos (sémen, fluídos vaginais e anais, sangue e leite materno) das pessoas infetadas. Por norma o VIH transmite-se através de relações sexuais (orais, anais e vaginais) não protegidas, mas também através da partilha agulhas ou de outro material cortante e ainda por mães portadoras da doença, aos seus filhos. Nos dias de hoje é possível ter uma gravidez e filhos saudáveis mesmo sendo portador de VIH, no entanto há risco de transmissão de doença caso não sejam feitos os tratamentos para a prevenção da mesma. O VIH não se transmite através de beijos, saliva, contacto com pele intacta/saudável, espirros, partilha de sanitas, banheiras, toalhas, talheres ou piscinas, nem por contacto com animais e insetos.

    A prevenção é a medida mais eficaz de combate à doença, para isso aconselha-se o uso correto de preservativo em todos os tipos de sexo; a utilização de “dental dams” na prática de sexo oral; a aplicação de lubrificantes à base de água por reduzirem o risco de fissuras vaginais ou anais causadas por fricção ou secura e evitarem que o preservativo se rompa; o uso de material pessoal e descartável para consumo de drogas injetáveis; fazer o rastreio da doença pelo menos uma vez na vida.

   

Mariana Fonseca, 11ºA

terça-feira, 1 de dezembro de 2020

1.º de dezembro - Restauração da Independência


Restauração da Independência de Portugal deu-se a 1 de dezembro de 1640, após 60 anos de domínio filipino, sendo um feriado nacional. Este golpe de estado foi chefiado por um grupo designado de Os Quarenta Conjurados, alastrando-se por todo o Reino. O povo português estava descontente com a governação castelhana e com a sua tentativa de anular a independência do Reino de Portugal, pondo um fim à União Ibérica e à Dinastia Filipina.

Consequentemente, instaurou-se a 4ª Dinastia Portuguesa, conhecida como “A casa de Bragança”, com a aclamação de D.João IV, no entanto esta só foi reconhecida em 1668. O novo rei não foi aclamado como o esperado, pois o povo aguardava o regresso de D.Sebastião.

 D.João IV focava-se na ideia do Quinto Império, tentando relacionar as glórias do passado e vitórias do futuro, estabelecendo uma política externa baseada em alianças com os países inimigos de Castela. A monarquia dual da dinastia filipina terminou com o Tratado de Lisboa em 1668.


Em Lisboa, na Praça dos Restauradores, encontra-se um monumento dedicado à Restauração da Independência Nacional. Aqui é costume comemorar-se este dia com honras de estado. Este ano, devido à situação pandémica em que nos encontramos, as celebrações decorreram de uma forma mais restrita com uma duração de 12 minutos e sem discursos.

Mariana Fonseca 11.ºA


terça-feira, 17 de novembro de 2020

Dia Internacional dos Estudantes

 



O Dia Internacional dos Estudantes celebra-se mundialmente a 17 de novembro em honra de um grupo de estudantes que protestaram, em 1939, contra a ocupação nazi na Checoslováquia. Nesta data, as forças nazis invadiram a sede da Federação Central de Estudantes Checoslovacos matando dirigentes e levando centenas de estudantes para campos de concentração. O Dia Internacional dos Estudantes foi estabelecido em Londres em 1941, pelo Conselho Internacional de Estudantes. 

Por norma esta data é aproveitada para promover encontros entre estudantes de diferentes nacionalidades, de modo a enaltecer a importância dos estudos e dos estudantes na construção da sociedade.

Atualmente, atravessamos uma situação pandémica o que implicou mudanças a nível escolar. Em Portugal, no início da pandemia adotou-se o método de Ensino à Distância, isto é, aulas realizadas através de plataformas online como o Zoom, de modo a que não houvesse contacto físico com ninguém. Alguns estudantes tiveram certas dificuldades a adaptarem-se a este novo sistema, pois não conseguiam gerir o seu tempo de estudo e de aulas síncronas, tinham ambientes problemáticos em casa, não se conseguindo concentrar ou inúmeras distrações como irmãos mais novos ou dispositivos eletrónicos. Por outro lado, muitos estudantes desenvolveram e melhoraram as suas capacidades intelectuais, visto que tinham mais apoio por parte dos professores para o esclarecimento de dúvidas e estavam num ambiente de maior conforto e segurança, as próprias casas.

No entanto, no ano letivo 2020/2021 as aulas decorrem de forma presencial, embora alguns alunos possam ter de ir para casa devido a situações de risco ou de contágio.

Em todo o país, as escolas elaboraram planos de contingência e de auxílio caso haja risco de infeção por COVID-19. Todos os alunos, funcionários e docentes têm que cumprir certas normas como o uso de máscara em todo o recinto escolar, a desinfeção das suas mãos e mesa, distanciamento mínimo, etc.

Muitos alunos mostram-se radiantes com o regresso às aulas devido a ser um processo de aprendizagem mais facilitado do ponto de vista de muitos, no entanto é sentido um clima de medo e insegurança em todas as escolas.

Manuel Martins, aluno do 11.º ano da Escola Básica e Secundária da Batalha, disponibilizou-se para falar um pouco da sua experiência como aluno durante a pandemia.

Sente-se seguro no meio escolar?

MM- Sim, na escola são tomadas todas as medidas de segurança impostas pela DGS, no entanto sinto-me um pouco desprotegido devido a frequentar os transportes públicos e haver sempre um grande aglomerado de alunos.

Pode me dar um exemplo de uma medida tomada pelos seus professores de modo a reduzir o risco de contágio por COVID-19?

MM- A maioria dos meus professores opta por realizar testes em formato digital para haver menos trocas de papéis, ou então colocam os papéis em quarentena até não haver riscos.

Quais as vantagens das aulas presenciais? E das aulas online?

MM- Nas aulas presenciais consigo estar mais atento, pois não tenho por exemplo o meu telemóvel sempre comigo, logo estou mais focado na matéria dada pelo professor e estou rodeado dos meus amigos, o que me dá mais motivação. Nas aulas online consigo gerir melhor o meu tempo, pois tenho menos horas de aulas síncronas, no entanto senti uma sobrecarga de trabalhos da parte de alguns professores.

Mariana Fonseca,11.ºA


Dia Mundial do Não Fumador

 


O Dia Mundial do Não Fumador, comemorado no dia 17 de novembro, é um dia de reflexão, pretendendo sensibilizar as populações para os fatores de risco associados ao consumo de tabaco.

   Estudos indicam que cerca de 80 por cento dos fumadores têm vontade de deixar de fumar e todos os anos 35% dos fumadores tentam deixar de consumir tabaco, contudo a taxa de sucesso é reduzida.

   O tabaco está ligado às principais causas de morte conhecidas. Ele é uma das causas principais do cancro do pulmão, das doenças pulmonares e das doenças cardiovasculares, provocando um grande impacto na perda de qualidade de vida. Falta de ar e tosse compulsiva são alguns dos fatores que devem ser vigiados com regularidade pelos fumadores. Por cada cigarro que fumado perde-se, em média, 8 minutos de vida.


    Ser fumador passivo (morar ou trabalhar num ambiente de fumo) também é prejudicial pois aumenta muito o risco cardiovascular e de cancro. Por outras palavras, os fumadores estão não só a prejudicar-se, como também a prejudicar quem com eles convive..

   As pessoas que deixam de fumar vivem, em média, mais 10 anos, e quanto mais cedo for tomada a decisão de abandonar o consumo de tabaco, maiores serão os benefícios em termos de saúde.

   Deixar de fumar é difícil. É um hábito associado à dependência física e psíquica. Os sintomas de privação do tabaco são difíceis de controlar comprometendo o sucesso do fim do seu consumo. No entanto, sabe-se que é quatro vezes mais fácil deixar de fumar com ajuda médica e familiar.


Frases do Dia Mundial do Não Fumador

Pelo seu coração...não fume!

Fumar para quê?

Fumar? Não obrigado, gosto de viver.

Cada cigarro é um prego no caixão.

Não fume. Se não for por si, então que seja por aqueles que o amam.

                                                                                                                              Diana, 11.º A